quinta-feira, 31 de maio de 2018

Mar de Nuvens

exposição de fotos da Serra do Mar, feitas por Lucas Pontes

Tem uma excelente exposição de fotos da Serra do Mar, feitas por Lucas Pontes, na Sala Brasil (3º andar) do Memorial da Cidade de Curitiba.
Está programada para ficar até o dia 22 de julho e vale ser vista. As fotos, em preto e branco, são lindíssimas. Não deixe de assitir o vídeo também.
É também uma oportunidade de fazer um passeio pelo Largo Coronel Enéas e Praça Garibaldi, com todas as suas atrações.

Na apresentação da amostra o fotógrafo, editor e curador Orlando Azevedo, escreveu o seguinte:

“Nuvens ao Mar 
A Natureza plena e sua beleza - a essência das luzes e os desenhos das nuvens
em seus abraços envolventes nas serras e montanhas junto ao grande mistério
do sagrado e da criação. 
A geografia de Lucas vai muito além dos horizontes a perder de vista deste
santuário divino. Da Serra do Mar se avista a grande paisagem e suas águas,
onde o mangue e o caiçara se fundem em sua complexa diversidade biológica.
O sagrado. 
Mar de de Nuvens é um impressionante relato visual de respeito à vida e ao outro,
onde a apurada técnica e estética de Pontes assumem a importância da
legitimidade de seu testemunho vivo e visceral. 
Real mesmo é o retrato da alma de seu autor. Verdadeiro e inteiro. Corpo e alma.
Ser fotógrafo de natureza exige uma entrega de missionário e visionário.
Este é o hinário. 
Quem já subiu uma montanha sabe, e sente, o que é chegar e alcançar, olhar o
infinito no beijo suave das nuvens. A grande emoção da oração e da gratidão. 
Não há como não lembrar do também geógrafo, geólogo e, acima de tudo,
ambientalista Reinhard Maack. O grande PP. 
Montanhista e alpinista têm na Serra do Mar seu berço por natureza.
A pulsante e mágica Mata Atlântica rasga em verde o ventre do lagamar. 
Lucas Pontes é um daqueles raros loucidos que regam a humanidade com a
transpiração de sua realização, com a entrega compartilhada da busca incansável
da qualidade e do melhor. 
Sonhar e realizar, sim
Até falta ar na altitude de sua atitude
Declaração do verbo amar
Nuvens ao mar!”

Referência:

quarta-feira, 30 de maio de 2018

Presidente Carlos Cavalcanti 179


Casa na Rua Presidente Carlos Cavalcanti, ao lado do Passeio Público.
Apesar de estar só a fachada, se observarmos direito ela tem lá os seus encantos.

Dei uma olhada na casa no Google Street View, que possibilita ver a evolução dela na história recente. Em maio de 2011 ela estava inteira, ocupada e bem conservada. Em agosto de 2012 estava desocupada, já sem o telhado e com as janelas e a entrada no térreo entijoladas.
Depois vai sendo pichada ao longo do tempo, até que em janeiro de 2017 recebe o grafite que podemos observar na foto e ganha uma trégua dos pichadores desde então. Tenho notado que os pichadores parecem respeitar os grafites.

Gosto de grafite e acho que é arte. Mas tenho um certa dificuldade em aceitá-los em fachadas de casas. Acho que devem estar em muros ou em algumas laterais de casas (laterais tipo paredões), como é o caso do Tigre Royal e da Casa Hoffmann.

Quanto ao Street View já acho ele uma ferramenta interessante, apesar do pouco tempo de existência. Imagine poder observar a evolução da cidade daqui a cinquenta, cem anos ou mais.

terça-feira, 29 de maio de 2018

Outro belo grafite na Lourenço Pinto

Grafite na Rua Lourenço Pinto de autoria de Cleverson Paes Pacheco (Café)

Grafite na Rua Lourenço Pinto.
Muito bonito. Lembra-me algum filme, mas não sei dizer se faz referência a algum. Mas sei que o autor é Cleverson Paes Pacheco (Café).

Publicações relacionadas:
“Breaking Bad” segundo Iceman
Mulher Maravilha

segunda-feira, 28 de maio de 2018

Sobrado na Emiliano Perneta - ficou bonito

Sobrado na Emiliano Perneta restaurado
Sobrado na Emiliano Perneta restaurado
Sobrado na Emiliano Perneta restaurado - detalhe

Este sobrado na Emiliano Perneta é uma Unidade de Interesse de Preservação.
Já apareceu em uma publicação aqui, em um tempo em que não estava muito bem.
Ele foi recentemente restaurado e ficou muito bonito.
Costumo passar com frequência por ele e tenho acompanhado o restauro desde o início. Não sei se está concluído, mas ontem não resisti de tirar umas fotos.
Para saber alguma coisa sobre a história e ver uma foto dele em 1905, clique o link abaixo.

Publicação relacionada:
Sobrado na Emiliano Perneta




domingo, 27 de maio de 2018

Castelo Hauer, um outro ponto de vista

Castelo Hauer visto de um ângulo mais alto

Castelo Hauer, detalhe da torre

Um outro ângulo do Castelo Hauer, Unidade de Interesse de Preservação localizada na Rua do Rosário.
Desse ponto de vista a torre do solar, de onde dizem o Sr. Joseph Hauer gostava de olhar a Serra do Mar, fica mais visível e o seu desenho pode ser melhor observado.

Publicações relacionadas:
Castelo Hauer
Nos fundos do Castelo Hauer

sábado, 26 de maio de 2018

Edifício Portal do Passeio

Edifício Portal do Passeio, entrada copiando o portão do Passeio Público

Edifício Portal do Passeio na Rua Presidente Carlos Cavalcanti

Localizado na Rua Presidente Carlos Cavalcanti, ao lado do Passeio Público, o Edifício Portal do Passeio chama a atenção por ter na sua entrada uma reprodução do portão do Passeio Público.

Publicações relacionadas:
Passeio Público - o primeiro parque da cidade
Portões do Passeio Público
O aquário do Passeio Público
Um brinquedo e a história da cidade
O Príncipe dos Poetas do Paraná na Ilha da Ilusão

sexta-feira, 25 de maio de 2018

UIP na Barão do Rio Branco 458

UIP na Barão do Rio Branco 458
Fachada, voltada para a Rua Barão do Rio Branco

UIP na Barão do Rio Branco 458, vista da lateral para a Rua André de Barros
Lateral, voltada para a Rua André de Barros

Esta casa na Rua Barão do Rio Branco, esquina com a Rua André de Barros, bem em frente ao antigo Centro de Saúde Modelo; também é uma Unidade de Interesse de Preservação.

quinta-feira, 24 de maio de 2018

Largo Coronel Joaquim Pereira de Macedo

Largo Coronel Joaquim Pereira de Macedo

O Largo Coronel Joaquim Pereira de Macedo tem a forma de um triângulo entre a Rua Saldanha Marinho (fechada ao tráfego de carros ali), Rua Visconde de Nacar e Rua Professor Fernando Moreira.
Na foto, ao fundo, aparece o Edifício Itália.

Joaquim Pereira de Macedo

“Nasceu na villa do Porto de Cima, a 16 de Fevereiro de 1858.
Foram seus paes o Sr. Manoel Ribeiro de Macedo e D. Francisca de Paula Pereira de Macedo.
Casou-se em Campo Largo, a 3 de Julho de 1881, com D. Adelaide Muller de Macedo.
Exerceu os seguintes cargos:
Superintendente do ensino obrigatorio na villa do Porto de cima, por nomeação do Dr. João Leite Alves de Oliveira Bello, então Presidente da Província do Paraná.
Major Commandante da Guarda Nacional da Palmeira, por nomeação da Princeza Imperial Regente.
Delegado Commandante Suerior da Guarda Nacional da comarca da Palmeira, em 1893, por nomeação do Marechal Floriano Peixoto, assumindo o commando immediatamente, para organizar batalhões da referida comarca, destinados á defesa do governo legalmente constituido e contra os revolucionarios.
Coronel Commandante da Guarda Nacional desta Capital, por nomeação do Presidente da Republica, Dr. Manoel Ferraz de Campos Salles.
Exerceu os seguintes cargos electivos: Deputado ao Congresso Constituinte do Paraná ( 1892 ); 2º Vice-Governador do Estado, no quatriennio de 1896 - 1900; Deputado Estadoal no biennio de 1900 - 1901, tendo sido reeleito em ambas as sessões dessa legislatura, e occupado a cadeira de Presidente desse orgão do poder publico.
Camarista do Municipio de Coritiba, no quatriennio de 1905 - 1908; Prefeito Municipal da Capital, no quatriennio de 1908 - 1912.
O Coronel Joaquim Pereira de Macedo é membro de uma das familias mais numerosas e respeitaveis do Paraná.
Bom caracter, recto a toda prova, quer na vida publica, quer no recesso da familia.
Homem de rija tempera, luctador incansavel, é um dos espiritos mais intemeratos e vigorosos que tem o Paraná. Enthusiasta por tudo que é bello e dignificante, tributa gran-de affecto á terra natal e á Patria, pela qual é capaz de arrostar os maiores sacrificios.
Como politico não sabe contemporizar, nem transigir. Perpetuo opposicionista, não tolera os actos pecaminosos dos governos, quesquer que elles sejam, comdemnando-os, profligando-os com vehemencia nas suas palestras vigorosas e infladas de sentimento crystallizado.
Como administrador revelou-se sempre, nos cargos que exerceu, energico e justo, bem orientado e probo.
Na Municipalidade de Coritiba, como Prefeito, no quatriennio já referido de 1908 - 1912, imprimiu tal orientação administrativa que, com os minguados recursos orcamentarios ( 330:000$000 apenas de receita annual ) poude, em pouco tempo, levantar o credito da communidade da Capital do Estado, solvendo grande parte de seu deficit e realizando sensiveis melhoramentos no centro da cidade.
Na sua vida privada é um modelo, um typo magnifico, digno de ser imitado.
Honra e trabalho foi sempre o seu lemma. Cheio de vigor moral e esperança, jamais o entibiaram as contrariedades dos dias que correm, tão assignalados por vicissitudes e catastrophes de todo o genero. Isto bem define a fortaleza de animo deste bom paranaense.
Industrial adiantado, espirito emprehendedor montou, em Coritiba, á custa de vultuosos sacrificios, um optimo moinho de trigo, o unico existente no Paraná, nessa épocha. Ao lado desse moinho encontrava-se um engenho de beneficiar herva matte dotado de mechanismo moderno.
Eis tudo o que possuia, no valor de cerca de duas centenas de contos de reis.
Uma noite, porem, esses estabelecimentos industriaes foram devorados pelas chammas pavorosas de um incendio tragico e terrivel!
Nada se salvou! Nada estava garantido por companhia de seguro!...
Com as labaredas desse incendio evolou-se tambem o resultado de uma existencia de lucta porfiada. Entretanto, com firmeza e coragem admiraveis, o Coronel Joaquim Macedo suportou esse revez extraordinario, esse subito infortunio. Continuou sereno e resignado, - sem nenhum queixume, sem nenhuma blasphemia, sem nenhum resquicio de desolação!
A estoicidade do seu animo causou admiração a todos.
Chefe de numerosa prole, tem procurado dar aos filhos instrucção e educação primorosas, como o melhor legado a deixar-lhes. E assim conseguiu formar tres delles: um em medicina, o Dr. José Pedreira de Macedo, moço de raro caracter e grande competencia, o qual exerce actualmente o cargo de medico legista da policia e é abalisado professor da Faculdade de Medicina do Paraná; outro em direito, o Dr. Manoel Pereira de Macedo, intelligente advogado no foro de Coritiba; e o terceiro em engenharia, o Dr. João Pereira de Macedo, a cargo do qual se acha o levantamento do cadastro do rocio da Capital.
Alem desses, são tembem filhos do Coronel Joaquim Macedo: Joaquim Pereira de Macedo Filho, Industrial; D. Francisca Adelaide de Macedo, casada com o honrado e provecto advogado Dr. João Ribeiro de Macedo Filho; senhorinhas Adelaide, Maria Christina, Alcina e Odette, e os jovens Floriano, Oswaldo e Eurico.
Eis, rapidamente esboçado, o perfil moral de um homem dado ás boas ações.
( Galeria Paranaense, de Sebastião Paraná - Setembro/1922, pág. 83. )
Faleceu em Curitiba, a 2 de março de 1949.”

Referência:

quarta-feira, 23 de maio de 2018

Residência Dellio Marodin

Residência Dellio Marodin

Residência Dellio Marodin

Esta casa na Rua General Carneiro é uma Unidade de Interesse de Preservação e consta nas listas que tenho com o nome de Residência Dellio Marodin.

Ela fica nos fundos da Residência Belotti que mostrei ontem. Segundo Marcia Cavalieri a casa também foi projetada pelo arquiteto curitibano Ayrton “Lolô” Cornelsen para o mesmo casal Belotti e diz:

“… Pouco tempo depois o arquiteto torna a construir para o casal Belotti novamente, desta vez nos fundos do terreno da primeira, que tinha frente para o outro lado da quadra, ou seja, o terreno que era em aclive agora era em declive em relação a outra rua. O partido se torna outro, pois a casa não ocupa um lugar de destaque e o jardim que fica na frente encobre quase toda a entrada, já que a residência está agora a três metros abaixo do nível da rua.
O que se vê também é uma pérgula de concreto um pouco abaixo do beiral da cobertura e com projeção para um pouco além da fachada, cobrindo a varanda e criando uma espécie de brise natural, que permitiu controlar a incidência de luz solar além do efeito estético para a composição. …”.

As fotos que estou mostrando tirei em junho de 2015. Como a casa estava bem escondida por plantas imaginei de não publicar essas e tirar outras em outra ocasião, quem sabe com as plantas menores. Já passei algumas vezes por lá, mas a casa está mais escondida ainda, com a colocação de uma cerca que a esconde. Assim, fica o registro de mais uma Unidade de Interesse de Preservação. Se tiver a oportunidade de fazer fotos melhores, as publicarei.

Publicações relacionadas:
Residência Henrique Wolf
Residência Marcos Axelrud
Residência Belotti

Referência:

terça-feira, 22 de maio de 2018

Residência Belotti

Residência Belotti

Residência Belotti

Residência Belotti

Residência Belotti

A Residência Belotti, localizada na Rua Doutor Faivre é uma Unidade de Interesse de Preservação.

Projetada pelo arquiteto curitibano Ayrton “Lolô” Cornelsen em 1953 para o casal Belotti. Cornelsen é um dos expoente da arquitetura modernista na cidade e a casa, construída no alto do terreno parece quase que suspensa em seus pilotis. A horizontalidade do volume superior, levemente inclinado, é ressaltada pelas fitas vermelhas e branca. Marcia Cavalieri escreveu, “ … a residência dos Belotti gerou desconfiança na vizinhança, que por apresentar formas incomuns e uma cor forte - vermelha, muitos achavam que ali seria inaugurada uma boate ou algo parecido, mas nunca uma residência familiar …”.

Em uma placa no muro está escrito o seguinte

“RESIDÊNCIA BELOTTI
É uma residência modernista,
projetada em 1953 por Ayrton “Lolô”
Cornelsen. Foi finalizada em 1956.
Exibe pilotis corbuseanos,
formas simples, janelas em
sequência e a fachada vermelha.
São destaques o painel e portão
em preto e branco - especialmente
desenhado por Lolô para o casal
Nini e Medoro Belotti - e a parede
de cobogós vermelho que apoia o
pergolado, na parte posterior da
edificação. Após grande período
de abandono, em 2012 o imóvel
foi adquirido por um casal da
cidade de Ponta Grossa, que
compreendendo a importância
arquitetônica e histórica
da edificação, restaurou-a totalmente
durante os anos de 2013 e 2014,
deixando a própria para uso
comercial. Responsáveis pelo
projeto e obras de restauro
Arquiteta Gabriele Websky Meier
e Hugo Umberto.”

Publicações relacionadas:
Residência Henrique Wolf
Residência Marcos Axelrud

Referência:

segunda-feira, 21 de maio de 2018

“Breaking Bad” segundo Iceman

grafite em muro na Rua André de Barros

Iceman, artista de grafite

Rapaz pintando grafite em muro

Um dia desses, andando pela cidade, encontrei na Rua André de Barros, esquina com a Rua Lourenço Pinto um rapaz que estava dando os retoques finais em um grafite.
Conversamos um pouco. Ele assina a sua arte como Iceman. O grafite que estava terminando tem como tema o seriado “Breaking Bad”. Contou que já fazia algum tempo que queria usar esse tema e que agora tinha surgido a oportunidade.
Perguntei a ele como era a questão do financiamento, quem pagava as tintas. Disse que nesse caso era ele que estava pagando as tintas, mas que o proprietário do imóvel havia preparado o muro e pintando de preto, assim,  ele e alguns outros grafiteiros puderam então pintar.
Perguntei também sobre a profissão dele e contou-me que faz tatuagens.

Foi bem legal encontrar Iceman e falar um pouco com ele. Pessoa muito simpática e cujo talento vocês podem observar.

domingo, 20 de maio de 2018

Barão do Rio Branco 593 - Unidade de Interesse de Preservação também

Barão do Rio Branco 593 - Unidade de Interesse de Preservação também

Barão do Rio Branco 593 - Unidade de Interesse de Preservação também

Barão do Rio Branco 593 - Unidade de Interesse de Preservação também

Barão do Rio Branco 593 - Unidade de Interesse de Preservação também

Outra Unidade de Interesse de Preservação na Rua Barão do Rio Branco.
O térreo do sobrado foi alterado, mas o andar superior é uma jóia. Colunas, volutas, janelas, platibanda, sacada com grade em ferro forjado e todos os demais ornamentos são todos muito bonitos.

Pena não saber nada sobre a história dela. Mas sempre fico na esperança de que após publicar alguém de uma dica.

sábado, 19 de maio de 2018

No céu tem cachaça?

asa localizada na Rua Theodoro Makiolka

asa localizada na Rua Theodoro Makiolka - detalhe labrequins

asa localizada na Rua Theodoro Makiolka - detalhe

asa localizada na Rua Theodoro Makiolka, esquina com a Rua Lauro Varombi


Esta casa localizada na Rua Theodoro Makiolka, esquina com a Rua Lauro Varombi, é uma Unidade de Interesse de Preservação.

Entrei em contato com a senhora Danusia Maria Walesko que tem o blog “Santa Cândida A História e as Histórias de cada um” e ela, gentilmente, contou-me um pouco da história da casa.

“O último morador dessa casa foi a família do senhor Constante Baude (Bałdy em polonês) e a Sra. Celestina Kulik Baude. … a propriedade foi vendida para funcionários do antigo Banestado que montaram um condomínio. Consta que o primeiro morador foi Estevão (Stevan) Kachel imigrante polaco que se estabeleceu ali quando a colônia Santa Cândida foi criada em 1875. Não há certeza se já essa casa ... só que era ali.”

Estou publicando também uma foto antiga da casa, que conforme informou a senhora Danusia “atribui-se ao falecido Sr. Felippe Skora a execução da foto”.

Ela também indicou-me um vídeo sobre uma discussão havida no local, enquanto era um armazém, sobre a existência ou não de cachaça no céu. Vale assistir o vídeo que está neste endereço.

Referências:

sexta-feira, 18 de maio de 2018

Um mosaico de Franco Giglio no Edifício Cabral

Um mosaico de Franco Giglio no Edifício Cabral

O Edifício Cabral, localizado na Alameda Cabral, 246; esquina com a Rua Saldanha Marinho

O Edifício Cabral, localizado na Alameda Cabral, 246; esquina com a Rua Saldanha Marinho é outro dos prédios de Curitiba com um painel do artista italiano Franco Giglio (1937-1982), que residiu alguns anos em Curitiba.

Não sei se o mosaico tem um nome, mas faz referência clara a Pedro Alvares Cabral e ao descobrimento do Brasil. Pena que esteja danificado. Um painel desses restaurado valoriza o edifício.

Falando no edifício, ele também é bem interessante e suas linhas são destacadas pela pintura com cores complementares.

Publicações relacionadas:
Biblioteca Franco Giglio abandonada
Dois mosaicos de Franco Giglio
Edifício Brasílio de Araújo

Referência:
GALANI, Luan. Rua Saldanha Marinho tem exuberante diversidade arquitetônica; veja o roteiro. Gazeta do Povo, Curitiba, 14 jan. 2017. Haus. Disponível em: <http://www.gazetadopovo.com.br/haus/arquitetura/saldanha-marinho-guarda-uma-das-maiores-diversidades-arquitetonicas-da-cidade-veja-o-roteiro/>. Acesso em: 17 mai. 2017.

quinta-feira, 17 de maio de 2018

Barão do Rio Branco 546 - outra Unidade de Interesse de Preservação

Barão do Rio Branco 546 - outra Unidade de Interesse de Preservação

Barão do Rio Branco 546 - outra Unidade de Interesse de Preservação

Este prédio na Rua Barão do Rio Branco, 546 é uma outra Unidade de Interesse de Preservação na rua.

Atualmente ocupado por um hotel, está com a fachada muito bem conservada.
As UIP que são ocupadas por hotéis, de um modo geral são bem cuidadas.

Como sempre, a dificuldade de encontrar informações sobre a história do prédio. A informação mais antiga que consegui do endereço é de 1939 e que existiria no local uma loja de móveis (M. Miller). Mas não estou seguro dela. A Rua Barão do Rio Branco, além de trocar de nome (antiga Rua da Liberdade), sofreu alterações na numeração das edificações ao longo do tempo. Considere a informação desse parágrafo apenas como uma pista, não como um fato.

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Edifício Itália

Edifício Itália
Edifício Itália - detalhe janelas

Localizado no início da Rua Professor Fernando Moreira, o Edifício Itália é outra obra projetada por um dos percursores do modernismo em Curitiba, Elgson Ribeiro Gomes (1922-2014)
O projeto é de 1962.

Publicações relacionadas:
Edifício Gemini
Edifício Canadá
Edifício Alvorada
Edifício D. Pedro II
Edifício Barão do Serro Azul

Referência:

terça-feira, 15 de maio de 2018

Rua da Cidadania - Regional Boa Vista

Rua da Cidadania - Regional Boavista

Rua da Cidadania - Regional Boavista

Rua da Cidadania - Regional Boavista

Rua da Cidadania - Regional Boavista

Rua da Cidadania - Regional Boavista

Rua da Cidadania - Regional Boavista

Rua da Cidadania Boa Vista, localizada na Avenida Paraná, 3600; no Bairro do Bacacheri.

Gosto da arquitetura dessas “ruas da cidadania” e acho o conceito delas bem interessante, reunindo em um mesmo local diversos serviços públicos, descentralizando-os. Não conheço todas elas, mas as que conheço são todas localizadas ao longo das vias estruturais, o que facilita tanto para quem vai de ônibus como de carro.

Pesquisando um pouco mais, descobri que as Ruas da Cidadania foram uma criação de Rafael Greca de Macedo, que construiu durante seu primeiro mandato como prefeito (1993-1996) as Ruas da Cidadania do Boqueirão, Pinheirinho, Santa Felicidade, Fazendinha, Boa Vista e Matriz. A do Bairro Novo foi construída no mandato seguinte, do prefeito Cássio Taniguchi.

texto complementado em 20 jun. 2018

segunda-feira, 14 de maio de 2018

Centro de Saúde Modelo

Prédio na Rua Barão do Rio Branco, inaugurado em 1950

O prédio da Secretaria de Saúde do Paraná na Rua Barão do Rio Branco, 465; esquina com a Rua André de Barros é uma Unidade de Interesse de Preservação. Tem linhas típicas da arquitetura do Estado Novo.

Foi inaugurado, como Centro de Saúde Modelo, no mesmo dia da inauguração do prédio atual do Colégio Estadual do Paraná, no dia 29 de março de 1950, durante uma visita do então presidente Eurico Gaspar Dutra.
A inauguração deu-se durante a gestão do governador Moisés Lupion, mas a verba federal para construção, como no caso do Colégio Estadual, foi pleiteada e conseguida pelo interventor Manoel Ribas.

Até fevereiro deste ano funcionava no local a sede da 2º Regional de Saúde – Metropolitana, que foi transferida para a Avenida Marechal Floriano. O prédio atual, segundo noticiou o governo do estado, será reformado para ser a nova Escola de Saúde Pública do Paraná.

O jornal “O Dia”, de 2 de abril de 1950, na pág. 4, descreveu assim o prédio.

“… O edifício do Centro de Saúde ocupa uma áreas de 4.266 metros quadrado. O sub-solo é dotado de abrigo anti-aéreo, Garagens para 8 carros, Chefia, Depósitos, Produção de gaz, Socorros irritados, Sala de máquinas e Sanitários.
No 1.º andar estão: Almoxarifado, Chefia — Exame de Lepra, Ga. Médico, Exame de doentes, Laboratório C. S., Repouso-Pneumotorax, Colheita de Material, Gab. de Saúde, Gab. Médico, Injeções, Fichário, Sala de espera tuberculosos, Gab. Médico, Raio X, Câmara escura, Sala de espera raio X, Hall, Portaria, Elevadores, Gab. Dentário, Sala de espera, Gab. escolar, Gab. pré-escolar, Câmara escura, Gab. dentário, Oftalmologia, Otorrino Laringo jat. Higiene infantil Pesagem fichário, Gab pré-natal, Repouso injeções, Higiene mental, Esterilização, Preparo de dietas, Distribuição, Sanitários.
No 2.º andar: Fichário, Gab. médico, Curativos, Lavagens, Injeções, Sala de espera homens, Sala de espera mulheres, Hall, Hall de distibuição, Elevadores, Arquivo central, Protocolo, Secretaria, Gabinete, Chefia de C. S., Guardas, Polícia Sanitária, Higiene da alimentação, Transmissíveis, Fichário, Higiene de Trabalho, Arquivo, Visitadoras, Secretaria, Gab. Chéfe, Farmácia, Expedição, Embalagem, Depósito, Comprimidos, Lavagem esterilização, Hepodermia, Análises, Sanitários.
E no 3.º andar: Hall, Auditórios, Estudo, Biblioteca, Sanitários, Elevadores, Hall, Fiscalização, Propaganda e educação sanitária, Secção Técnica, Chéfe, Malária, Venéreas, Chefia dos distritos Sanitários, Engenharia Sanitária, Profilaxia da lépra, Sala de desenho, Epidermiologia, Secção Bio-estatística, Sanitários, Protocolo, Secretaria do diretor, Despacho, Contadoria, Secretaria, Chéfe da Secretaria, Maternidade infância, Médico social, Gab. reservado, Toucador, Arquivo.
Seu custo total foi de dez milhões de cruzeiros.”

Publicação relacionada:
Colégio Estadual do Paraná

Referências:

domingo, 13 de maio de 2018

Deusa-mãe

Escultura que faz parte da Coleção Fausto Godoy doada ao Museu Oscar Niemeyer - MON

“Deusa-mãe com coroa de louros;
antiga região de Gandhara, Paquistão, séc. I - II d.C.
terracota”.

A peça faz parte da Coleção Fausto Godoy doada ao Museu Oscar Niemeyer - MON

Publicação relacionada:
Ásia: a terra, os homens, os deuses

sábado, 12 de maio de 2018

As grades no Reservatório do Alto São Francisco

As grades no Reservatório do Alto São Francisco
As grades no Reservatório do Alto São Francisco - detalhes
As grades no Reservatório do Alto São Francisco
As grades no Reservatório do Alto São Francisco - detalhes

Detalhes das grades que cercam o Reservatório do Alto São Francisco.
As grandes estruturas são interessante, mas também os pequenos detalhes. No caso do reservatório, os detalhes revelam uma obra feita com capricho no sentido estético, pensada não só na utilidade e uso, mas também na beleza.
Não é a toa que o reservatório é tombado pelo Patrimônio Cultural do Paraná e é uma Unidade de Interesse de Preservação.

Publicação relacionada:
Reservatório do Alto São Francisco

sexta-feira, 11 de maio de 2018

Saldanha Marinho 577

Casa na Saldanha Marinho, restando apenas duas parede, que é Unidade de Interesse de Preservação

Casa na Saldanha Marinho, restando apenas duas parede, que é Unidade de Interesse de Preservação

Casa na Saldanha Marinho, restando apenas duas parede, que é Unidade de Interesse de Preservação

Esta casa na Rua Saldanha Marinho, esquina com a Rua Voluntários da Pátria é uma Unidade de Interesse de Preservação, ou pelo menos o que resta dela.
A data na platibanda é 1925, provavelmente o ano da construção dela.