segunda-feira, 30 de setembro de 2019

Igreja Ortodoxa Grega São Savas

Igreja Ortodoxa Grega São Savas
Igreja Ortodoxa Grega São Savas - lateral
Igreja Ortodoxa Grega São Savas
Igreja Ortodoxa Grega São Savas - detalhe

A Igreja Ortodoxa Grega São Savas está localizada na Rua Comendador Lustoza de Andrade, no Bom Retiro.

É uma comunidade pequena em Curitiba, mas com um templo bem bonito, pintado em azul e branco, as cores da Grécia. Foi construído no início dos anos 1970 sob a liderança de Panaghiótis Meintánis.

Observei duas placas, em um delas está o nome da igreja e na outra está escrito:

“BEM-AVENTURADOS, SENHOR, OS QUE HABITAM
EM TUA CASA: LOUVAM-TE PERPETUAMENTE.
SALMO 84

HOMENAGEM DA COLÔNIA GREGA
DO PARANÁ AOS
IDEALIZADORES E COLABORADORES
QUE CONCRETIZARAM A CONSTRUÇÃO DA
IGREJA ORTODOXA GREGA SÃO SAVAS,
NO ANO DE SEU
JUBILEU DE PRATA.

CURITIBA, SETEMBRO DE 1998”

Ainda não tive a oportunidade de conhecer o interior da igreja, que dizem ser bem bonito. Quem sabe um dia desses levo sorte e a encontro aberta.

São Savas


São Savas (439-532) foi um eremita, monge, padre e sano que vivei principalmente na Palestina. Entrou para o mosteiro as oito anos de idade e aos dezessete anos, contrariando a vontade dos país que queriam vê-lo casado, recebeu a tonsura (ordenação). Foi tão perfeito na sua vida monástica que recebeu o dom dos milagres.

Sua relíquias foram levadas pelos Cruzados para a Igreja de Santo Antonio, em Veneza, durante o século XII. Em 1965 o Papa Paulo VI as devolveu a Igreja Ortodoxa.

Referências:

domingo, 29 de setembro de 2019

Groot

Escultura de personagem de quadrinhos na Praça Erailto Thiele

Escultura de personagem de quadrinhos na Praça Erailto Thiele

Sentado tranquilamente em um banco na Praça Erailto Thiele está “Groot”, personagem de histórias de quadrinhos da Marvel Comics e do filme “Guardiões da Galáxia”.

A escultura do “homem planta” é do artista plástico Tony Reis. A obra foi realizada para comemorar o Dia Mundial do Meio Ambiente de 5 de junho de 2018. Segundo o autor a inspiração foi a “lenda dos ents”, de J. R. R. Tolkien, que fala de árvores humanoides e protetoras das florestas. O artista escolheu representá-las através do personagem “Groot”.

A escultura com os seus cabelos e golas naturais é bem popular. No dia que a fotografei tive que esperar a vez. Muitos tiram fotos sentado ao lado dela.

Publicação relacionada:
Praça Erailto Thiele

Referência:

sábado, 28 de setembro de 2019

Praça Erailto Thiele

Praça Erailto Thiele

Praça Erailto Thiele

No mapa do IPPUC que tenho o local é chamado de Praça Erailto Thiele, mas uma placa no local a chama de Jardinete.

A praça está localizada na margem esquerda do Rio Belém (na outra margem o nome é outro), entre a Rua Luiz Antonio Biazzeto e a Rua Vitório Foggiato.

Na placa existente no local, está escrito:

“JARDINETE
ERAILTO THIELO

Homenagem da Cidade de Curitiba ao amigo que
dedicou 42 anos de sua vida a esta cidade,
trabalhando pelo bem estar do povo curitibano.

Curitiba, 08 de junho de 1991

Jaime Lerner
Prefeito
Curitiba”

“Erailto Thiele foi funcionário público e dirigiu a Divisão de Limpeza Pública da Prefeitura de Curitiba nos anos 60 e 70. Seu nome batiza uma sala do Departamento Médico do Clube Atlético Paranaense, seu time do coração.”

Publicação relacionada:
Groot

Referência:

sexta-feira, 27 de setembro de 2019

Não desista. Nunca!

Grafite com o desenho de um lápis e a inscrição "Não desista. Nunca!"

Grafite no muro da Escola Estadual República Oriental do Uruguai, na Avenida Affonso Camargo.

Um excelente grafite para o muro de uma escola.

quinta-feira, 26 de setembro de 2019

Gerando energia elétrica

Ponte sobre o Rio Belém, com piso gerador de energia

Ponte com piso gerador de energia

Ciclovia com piso gerador de energia

Essa ponte sobre o Rio Belém e a ciclovia, próximos ao Palácio da Araucárias, estão equipados com pisos geradores de energia, um sistema que transforma energia cinética em energia elétrica.

Esse projeto é realizado em parceria da Prefeitura Municipal de Curitiba e Japan International Cooperations Agency (JICA).

quarta-feira, 25 de setembro de 2019

Um predinho bacana na Senador Xavier da Silva

Um predinho bacana na Senador Xavier da Silva

Um predinho bacana na Senador Xavier da Silva

Gosto de predinhos baixos, como esse na Rua Senador Xavier da Silva, esquina com a Rua Mateus Leme.
Pelo jeitão dele, imagino que tenha sido construído em meados do século passado.

terça-feira, 24 de setembro de 2019

As árvores são a expressão da sabedoria e do equilíbrio

Casa em esquina com árvores na calçada

Fachada de casa entre árvores, uma delas florida

Vitrine com vasos de flores e cartazes falando de árvores e suas qualidades


Detlahes de uma casa

Detalhe da janela em uma casa

Casa na Rua Francisco Mota Machado, esquina com a Rua Jorge Batista Crocetti.

Grande, a casa é bem bonita e, no dia que a fotografei, estava enfeitada por uma cerejeira em flor.

Em uma pequena construção ao lado da entrada principal tem o que parece ter sido (ou é ainda) um pequeno negócio. Na vitrina tem alguns cartazes falando sobre a qualidade e a importância das árvores.

“Permeando a terra em projeção para o céu, as árvores são a expressão da sabedoria e do equilíbrio que tanto buscamos.”

“Ela transforma gás carbônico em oxigênio, fornece alimentos, abrigo, cura e proteção. Por isso merece respeito!”

“A energia que circula nas árvores é mais potente, constante e equilibrada que a do ser humano.”

“O contato com as árvores traz para nós maior compreensão de referenciais como tempo, espaço, valores, afeto, realidade e ação.”

“A arborização gera resultados práticos como melhoria da qualidade do ar e queda de temperatura, além de benefício psicológicos.”

Legal!

Depois que divulguei a publicação em uma rede social, recebi a seguinte mensagem da Sra. Mara Sazanoff:

“Que maravilha!
Sempre acompanho o "Fotografando Curitiba", adoro as postagens e sempre fico admirando as fotos e a maneira sensível com que são descritas as construções.
Mas de repente...Pluft!!!
Aparece a minha casa, nesse blog, que tanto admiro.
É muito emocionante!!!
Flávio, muito me honra saber que você gostou da minha casa e de minhas árvores. Eu também as amo.
Fico lisonjeada e agradecida!”

Trocando umas palavras com ela pedi se não gostaria de contar alguma coisa sobre a casa e, gentilmente, escreveu o seguinte:

“… A nossa casa foi construída no início dos anos 90.
Ficou pronta e nos mudamos pra cá em 1995.
A casa foi idealizada e projetada pelo meu marido, Eduardo Sazanoff. Que diga-se de passagem, "quebrou a cabeça", pra conseguir uma casa grande, num terreno de esquina, que não era grande o suficiente.
Na verdade, meus avós maternos Maria e José Sbrissia, nos anos 30, se fixaram aqui. A área era bem grande, com jardim, quintal, pomar, horta e até criação de animais. Além de uma quadra de bocha, que meu avô gostava de jogar com os amigos, nos encontros de final de semana.
Mais tarde, essa área foi sendo dividida entre os herdeiros e nos coube o terreno da esquina.
Anteriormente, morávamos no Cristo Rei.
Lá, começamos a construir nossa primeira casa, quando ainda estávamos noivos.
Era uma casa lindinha, de madeira, no estilo clapbord sidding, isto é, com madeira no sentido horizontal, assim como é o oitão de nossa casa atual.
As janelas de ♡, foram compradas na antiga Irmãos Boros.
Quando construímos aqui, fiz questão de trazer minhas janelinhas de coração, que eram o meu xodó.
… as janelinhas, são bem antigas, pois só de casamento, comemoramos 42 anos, elas devem ter aproximadamente 45 ou 46 anos …
As árvores que circundam a casa, são plátanos. Foram plantadas em 1993, antes do término da casa.
Você viu o tamanho das árvores, né? Imensas! Quando compramos as mudas, precisamos colocar um cabo de vassoura pra escorá-las, pois eram muito fininhas, da grossura de um dedo. Pra ver o tamanho que ficaram...
Ah! E a cerejeira que você fotografou, nasceu sozinha, sem ser semeada, assim como o alecrim dourado.
…, na primavera e verão, as árvores ficam lindas, frondosas de folhas e imensas de pássaros, muitos pássaros ...”

Adoro quando isso acontece. Por mim todas as fotos de casas que publico teriam um texto assim.
As casas, além de serem um objeto físico, abrigam pessoas, almas e histórias de vidas.
No texto ficamos sabendo não só da casa, das suas janelas e dos seus moradores atuais, mas também um pouco sobre os avós da Sra. Mara, que antes viveram no local nos anos 1930.

Adorei. A publicação agora ganhou vida. Deixou de ser só algumas fotos de uma casa bonita.

texto complementado em 26 set. 2019

Referência:

segunda-feira, 23 de setembro de 2019

A minha sensibilidade só é loucura na sua cabeça

Casa antiga na Rua Trajano Reis

Casa, que é Unidade de Interesse de Preservção, na Rua Trajano Reis

Essa casa na Rua Trajano Reis é uma Unidade de Interesse de Preservação.

O título da publicação é o escrito no cartaz de papel na porta emparedada.

domingo, 22 de setembro de 2019

A Ucrânia não morrerá jamais

Meninas dançando no palco do Clube Poltava
Apresentação de grupo folclórico ucraniano no Clube Poltava em Curtiba

Meninas de grupo folclórico ucraniano no paldo do Clube Poltava

Jovens de grupo folclórico ucraniano dançando

Jovens de grupo folclórico ucraniano dançando

Jovens de grupo folclórico ucraniano dançando

Grupo folclórico ucraniano

Grupo de dança ucraniana

Jovens de grupo folclórico ucraniano dançando

Três jovens senhoras com trajes típicos ucranianos


“A Ucrânia não morrerá jamais. Enquanto houver no mundo um grupo jovem que dance suas danças típicas, cante suas canções folclóricas e cultive as suas tradições como uma chama sagrada. Os valores Ucranianos hão de passar de uma geração para outra até o fim dos séculos”

Helena Kolody (1912-2004)

Publicação relacionada:
Poltavskyi Yarmarok - Feira de Poltava

sábado, 21 de setembro de 2019

Poltavskyi Yarmarok - Feira de Poltava

Fachado do Clube Poltava

Meninas com trajes típicos da entrada do Clube Poltava

Poltavskyi Yarmarok - Feira de Poltava

Jovem com roupa típica ucraniana

Palco do Clube Poltava em Curitiba

Meninas com trajes típicos da Ucrânia

Trajes típicos da Ucrânia

Homem com traje típico ucraniano no palco do Clube Poltava

Apresentação de grupo de danças ucranianas no palco do Clube Poltava

Pessoas, algumas com trajes típico, na arquibancada do Clube Poltava

No último dia de agosto (31), um sábado, estive na Feira de Poltava (Poltavskyi Yarmarok), promovida pela comunidade ucraniana de Curitiba.

O evento realizado no Clube Poltava, na Rua Pará, tinha barracas de comidas típicas, uma feira eslava com diversos produtos artesanais, uma exposição de roupas típicas de diversas regiões da Ucrânia e apresentações de grupos folclóricos no palco do clube.

Poltava é o nome de uma cidade na Ucrânia.

Cheguei para o almoço e comi vareneke e holubtsi.
Vareneke (ou seria vareniki?) um pastelzinho cozido recheado com batata e requeijão, uma espécie de versão ucraniana do pirogue dos poloneses, ou do tortei dos italianos.
Holubtsi um charutinho de folha de repolho com recheio de arroz e trigo sarraceno.

Estava uma delícia e, satisfeito, fiquei algumas horas assistindo a apresentação de grupos folclóricos de diversas cidades do Paraná.

Muito interessante também os lindos bordados, não só nas roupas dos participantes dos grupos folclóricos ou na exposição de trajes típicos, que mostrava as variações nos bordados de diversas regiões da Ucrânia; mas também na roupa de muitos dos visitantes.

“Há 125 anos, os primeiros imigrantes chegaram ao Paraná buscando uma nova vida. Hoje a comunidade ucraniana no Brasil ultrapassa 500 mil pessoas. Destas, mais de 400 mil estão no Paraná. Em Curitiba eles são cerca de 55 mil.”

Gostei muito da festa e já anotei, quando tiver outra edição tentarei ir.

Publicação relacionada:
A Ucrânia não morrerá jamais

Referência:

sexta-feira, 20 de setembro de 2019

Uma casa de madeira na Rua Nicarágua

Uma casa de madeira na Rua Nicarágua

Mais uma simpática casa de madeira na Rua Nicarágua.

As vezes ficamos com a impressão que essas casas de madeira são muito semelhantes. Mas olhando com vagar sempre é possível notarmos detalhes. Nessa, a madeira na parte superior da entrada e cortada na forma de um “V” invertido, revelando o capricho de quem a construiu. Seria muito mais fácil deixar tudo reto.

quinta-feira, 19 de setembro de 2019

A estátua de Nicolau Copérnico

Estátua de Nicolau Copérnico no Bosque João Paulo II.

Estátua de Nicolau Copérnico no Bosque João Paulo II - detalhe

Estátua de Nicolau Copérnico no Bosque João Paulo II.

Na placa colocada na base está escrito o seguinte:

“Esta escultura de
NICOLAU COPÉRNICO
(1473 - 1543)
Astrônomo e humanista, expressão do
renascimento mundial e do gênio polonês
foi colocada neste Parque Memorial
aos 21 dias de fevereiro de 1995
quando da honrosa visita do
PRESIDENTE LECH WALESA
como sinal do apreço da Cidade de Curitiba,
e do Estado do Paraná a contribuição dos
imigrantes da Polônia à nossa história.

JAIME LERNER
governador do Estado do Paraná

RAFAEL GRECA DE MACEDO
prefeito de Curitiba”

O autor da escultura em bronze, doada pelo governo polonês, foi Brac Dekoracyjny, executada pela Artística Fundição, de São Paulo.

Originalmente a escultura estava na Praça da Polônia, no Cristo Rei.

Referência:

quarta-feira, 18 de setembro de 2019

Unidade de Interesse de Preservação na Mateus Leme

Casa com fortes traços do neoclássico na Rua Mateus Leme
Casa com fortes traços do neoclássico na Rua Mateus Leme

Essa casa na Rua Mateus Leme, com fortes traços do estilo neoclássico, é uma Unidade de Interesse de Preservação.

A casa é bem bonita. Pena as grades entre as colunas do pórtico. Mas fazer o quê? O nível de segurança atual da cidade em que moramos obriga as pessoas a protegerem-se como podem, por conta própria.

terça-feira, 17 de setembro de 2019

Duas casas, um telhado

Duas casas com o mesmo telhado

Bem bonitas essas duas casas na Rua Trajano Reis, atualmente com uso comercial.

Com entradas separadas, compartilham o mesmo telhado e o mesmo número.
Será que sempre foram assim? Ou teriam sido uma única casa?
Ficou interessante a forma como a separação entre elas foi feita, com o uso de cores diferentes e com o contorno de uma das casas que parece sobrepor-se na outra.

segunda-feira, 16 de setembro de 2019

Outra grade bonita (e um ornamento de ferro)

Outra grade bonita
Outra grade bonita (e um ornamento de ferro)
Outra grade bonita

Nessa casa na Rua Mateus Leme, além do ornamento de ferro com desenho de linhas retas, chama muita a atenção a bela grade.