domingo, 23 de julho de 2017

sábado, 22 de julho de 2017

A antiga Livraria Ghignone

A antiga Livraria Ghignone

Fundada 1921 por João Ghignone (1889-1978) deve ter sido a maior rede de livrarias da cidade, chegando a ter 13 lojas. Mas “a” Ghignone para mim era a que ficava nesse prédio na Rua XV de Novembro, que era também um ponto de encontro de intelectuais e amantes dos livros. A última loja, na Rua Comendador Araújo, fechou em 2011.

O prédio na XV é uma Unidade de Interesse de Preservação.

João Ghignone

João Ghignone, nascido em Serravalle Sesia (Itália) em 11 de fevereiro de 1889. Veio para o Brasil aos 5 anos de idade (1894), acompanhando os pais, Pietro Di Giuseppe Ghignone (engenheiro civil) e Francesca Rolando Ghignone.
Depois de viverem em outros locais, acabaram fixando-se em Morretes, onde, mais tarde, o Sr. João casou com a também filha de imigrantes italianos, Itália Dall’igna. O casal teve 5 filhas e 3 filhos.
Depois de trabalhar como músico, tipógrafo, dono de restaurante e comerciante, em 1921 abriu a livraria em Curitiba.
Convertido ao espiritismo, ocupou cargos na Federação Espírita do Paraná (FEP), tornando-se presidente em 1932, cargo que exerceu até a sua morte. Durante sua gestão a FEP foi responsável por diversas obras sociais, como “o Albergue Noturno, o Sanatório "Bom Retiro" (atualmente Hospital Espírita de Psiquiatria Bom Retiro), o Lar "Icléa", o Lar "Hercília de Vasconcellos" (em Paranaguá), a Creche "Mariinha" (em Campo Largo), a creche "Josefina Rocha" (em Curitiba) e o Instituto "Lins de Vasconcellos" (que deu origem ao Colégio de mesmo nome)”.
O Sr. João faleceu em Curitiba em 8 de junho de 1978.

José Eugênio Ghignone

Conhecido como “Dude”, o filho do Sr. João, tocou a livraria após a morte do pai, mas já trabalhava nela desde os anos 1930. Nasceu em 12 de junho de 1921, em Curitiba, e faleceu aos 94 anos, no dia 31 de janeiro de 2016.

Quando do seu falecimento o prefeito Gustavo Fruet decretou luto oficial na cidade e disse: “José Eugenio Ghignone, além de estimular a leitura e a produção literária, foi um defensor intransigente dos princípios democráticos. Foi um comerciante com espírito público, proporcionando o acesso aos livros a preços populares, por meio das Feiras de Livros, e criticando duramente os regimes de exceção”.

Aroldo Murá, comentando a morte do Sr. José, escreveu em seu blog: “ … Por trás da fria notícia, há todo um enredo envolvendo esse tipo humano raro que fez pela vida cultural do Paraná “centenas de vezes mais do que muitas autoridades da área cultural, gente que posa de importante, mas é dona de enorme desimportância”, sentenciou no domingo o escritor e jornalista Fábio Campana, … As andanças de “Dude” para formar-se livreiro de qualidade igual (ou superior) aos de centros como Rio, São Paulo, Porto Alegre, levaram-no a contatos com José Olímpio, os irmãos Bertasso, o editor Ennio Silveira, Monteiro Lobato. De todos eles recolheu lições e conselhos que depois aplicaria na Livraria Ghignone.”

Referências:

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Grupo Espírita Anna Franco

sede do Grupo Espírita Anna Franco

Quando fotografei esta casa verde na Rua Desembargador Ermelino de Leão o que mais chamou a minha atenção foi a plaquinha onde está escrito:

“NÃO PICHE A PAREDE ISTO
DIMINUI NOSSOS RECURSOS
PARA ATENDERMOS OS NECESSITADOS
A DIREÇÃO”.

Mais tarde descobri que o local é a sede do Grupo Espírita Anna Franco.
Pesquisando um pouco mais encontrei um artigo no “Jornal do Bairro Alto” publicado em novembro de 2016, que diz o seguinte:

“Há 32 anos a Casa da Sopa, mantida pelo Grupo Espírita Anna Franco, faz um trabalho de assistência social junto às famílias do Bairro Alto.  Ela  recebe doações de empresas e particulares. Voluntários trabalham para distribuir alimentação às famílias e suprir necessidades da população carente. … A casa tem ainda um Grupo de Costura, com mulheres que fazem panos de prato, roupas de crianças e consertos, para doar ou vender no bazar. … o Bazar com roupas, sapatos, enfeites, brinquedos e utensílios diversos A Casa também promove a Festa de Páscoa, Festa do Dia da Criança e do Natal para as famílias assistidas. …”.

Referência:

quinta-feira, 20 de julho de 2017

João Haupt & C.

João Haupt & C.

João Haupt & C.

A atual João Haupt Cia. Ltda. é uma das empresas mais antigas em atividade contínua na cidade. É a quarta geração da família que toca o negócio atualmente.

Fundada em 1912 pelo imigrante tcheco João Haupt e Francisco Juksch, seu cunhado. Era livraria e papelaria, como hoje, e vendia artigos para escolas e “escriptorios”, cartões “postaes” e albuns. Atuava também no ramo de “officina de encadernação artistica, typographia, pautação, douração e fabrica de livros em branco e caixas de papelão”, conforme um anúncio publicado na primeira edição da “Gazeta do Povo”, que circulou em 3 de fevereiro de 1919.

O prédio da papelaria João Haupt é uma Unidade de Interesse de Preservação.

Outra empresa centenária:
Casa Glaser

Referencia: