terça-feira, 26 de maio de 2020

Outra de madeira na Eduardo Geronasso

Casa de madeira na Eduardo Geronasso

Outra simpática casa de madeira na Rua Eduardo Geronasso.
Bem interessante a grade na porta.
Tem pelo menos três paredes em alvenaria.

segunda-feira, 25 de maio de 2020

Só uma árvore

Árvore com um belo formato na Travessa Medianeira

Nessas andanças pela cidade o que chama a atenção muitas vezes é só o formato de uma árvore. Como foi o caso dessa na Travessa Medianeira.

domingo, 24 de maio de 2020

A casa do padrinho

casa na Rua Mateus Leme

casa na Rua Mateus Leme

Nessa casa na Rua Mateus Leme morou o Sr. Manoel Eppinger (casado com Elza Lidas), padrinho de minha esposa.

Quando casamos, minha esposa foi na floricultura dele na Rua São Francisco levar o convite e fazer a encomenda da decoração da igreja (Igreja do Rosário dos Homens Pretos de São Benedito) e do clube (Concórdia).

Quando chegamos na igreja encontramos um bonito tapete branco (havíamos encomendado um vermelho, que era mais barato) e a quantidade de flores, tanto na igreja como no clube, era muito maior da que tínhamos encomendado. Além disso, durante a festa, ele nos deu um cheque no valor da metade do que havíamos pago. Recebemos o dobro pela metade do preço. Um belo presente, que lembramos dele sempre que olhamos as fotos.

Depois de aposentado o Sr. Manoel passava horas cuidando do jardim da casa.

sábado, 23 de maio de 2020

Escola Municipal Duílio Calderari

Escola Municipal Duílio Calderari

Escola Municipal Duílio Calderari localizada na Rua José Sperancetta, no São Lourenço.

Não encontrei nada sobre o histórico dela (data de fundação, essas coisa), mas o nome da escola deve ser uma homenagem ao Professor Doutor Dúlio Anibal Calderari.

Duílio Anibal Calderari

“Nasceu em 21 de abril de 1893 no Município de Palmeiras (PR). Foi professor, poeta e médico, doutorando-se em 1926. Fundou e dirigiu o Colégio Duílio Calderari. Em 1930, ao lado do professor Erasto Gaertner e de outros dedicados cientistas, colaborou na fundação do Instituo de Medicina e Cirurgia do Paraná, onde foi médico, e assumiu a direção do Serviço de Radiologia. Na UFPR dirigiu a Disciplina de Fisiologia e Assistente de Farmacologia, ate 1948. Foi também grande orador, músico e compositor. Faleceu em 29 de dezembro de 1950 em Curitiba.”

Imagino, uma vez que não encontrei a história dela, que a escola retratada não tenha ligação histórica com o colégio fundado pelo Dr. Duílio, que ficava na Praça Carlos Gomes.

O professor Duílio é também homenageado com o nome de uma rua no Hugo Lange.

Referência:

sexta-feira, 22 de maio de 2020

Um ornamento de ferro em casa na Mauá

Casa com ornamento de ferro na Rua Mauá

Casa com ornamento de ferro na Rua Mauá

O que achei interessante nessa casa na Rua Mauá foi a platibanda com ornamento de ferro.

Ocupada, no dia que fotografei, por dois bares. Pelo número de portas, imagino que sempre foi para uso comercial.

quinta-feira, 21 de maio de 2020

Uma de madeira na Marcelino Nogueira

Casa de madeira na Rua Marcelino Nogueira, no Bacacheri

Casa de madeira na Rua Marcelino Nogueira, muito bem conservada. Na foto, um pouco escondida pela grade.

Nessa chamou a minha atenção os vidros na porta e na janelinha ao lado dela (meio escondida pela coluna). Reparei também nos detalhes da varanda em alvenaria (coluna, relevos, floreiras e escada).

quarta-feira, 20 de maio de 2020

Outra casa na Ubaldino do Amaral

Casa na Rua Ubaldino do Amaral

Casa na Rua Ubaldino do Amaral

Casa bem bonita na Rua Ubaldino do Amaral.

Telhados bem inclinados, falso enxaimel, uso de basaltos na decoração e também bem legal o desenho das ripas nos guarda-corpos das sacadas.

terça-feira, 19 de maio de 2020

Um château na Itupava

Um château na Itupava
Um château na Itupava
Um château na Itupava
Um château na Itupava - detalhe portão

Muito bonita essa casa na Rua Itupava.
Também bonito o trabalho de serralheria nas grades e portão.

Com aquele estilo que lembra os châteaux do Vale do Loire (pelo menos a mim lembram).

Não sei se esse estilo tem um nome, mas tem relativamente bastante casas assim na cidade.
Imagino que foram todas construídas mais ou menos na mesma época, quando o estilo parece ter sido moda (em volta dos anos 1940/50).

segunda-feira, 18 de maio de 2020

A árvore e a casa

Árvore na calçada em frente de uma casa

A casa na Avenida Anita Garibaldi é bacana, mas quase não aparece. Mas gostei da foto, com a árvores, como muitos galhos e sem folhas, no primeiro plano.

domingo, 17 de maio de 2020

Outra casa na João Gualberto

Casa na Avenida João Gualberto, em Curitiba

Casa na Avenida João Gualberto, em Curitiba

Outra bonita casa na Avenida João Gualberto.

Repare os diversos detalhes decorativos.

Segundo um comentário em uma rede social, teria sido construída pelo imigrante espanhol Jesus Alvarez Tarzado, proprietário da Confeitaria das Famílias.

Publicação relacionada:
Confeitaria das Famílias

Referência:

sábado, 16 de maio de 2020

As retas que viraram curvas

As retas que viraram curvas
As retas que viraram curvas

Essa casa, no Jardim Social, foi recentemente reformada. Não acompanhei, mas nem sei se dá para dizer que foi reformada. Está mais para reconstruída, uma vez que tive a impressão de que foram aproveitadas apenas algumas paredes.

Antes a casa tinha linhas retas, no estilo funcional (uma das categorias do modernismo) e agora ficou cheia de curvas e bem bonita.

Lembrei do “Poema da Curva”, de Oscar Niemeyer.

Publicação relacionada:
Poema da Curva

sexta-feira, 15 de maio de 2020

Grafite no muro, capelinha na fachada

Casa com grafite no muro e capelinha na fachada

O que chamou a atenção foi o grafite, bem colorido.
Mas depois, reparando mais, gostei da casa. Telhado com várias inclinações, a entrada, bay-window e a capelinha.

quinta-feira, 14 de maio de 2020

O ciclista

Ciclista circulando em via exclusiva para ônibus e acima da velocidade permitida.

Na foto de hoje um ciclista andando rápido (a velocidade na Avenida João Gualberto é 30 km/h) na canaleta do ônibus expresso.
E note que está fazendo isso em uma via que tem ciclovia.

Tenho lido por aí comentários de ciclistas reclamando que não são respeitados.

Deve ser uma minoria, mas a verdade é que tem muitos deles que não respeitam as leis de trânsito e de civilidade.

Eu mesmo já fui quase que atropelado por uma ciclista que simplesmente resolveu não parar no sinal fechado para ela.

Desrespeito ao sinal fechado, circular na contramão, não respeitar limite de velocidade, andar sobre a calçada, desrespeito em vias compartilhadas com pedestres, tudo isso já ví por aí.

quarta-feira, 13 de maio de 2020

Outra casa de madeira na 21 de Abril

Casa de madeira na Rua 21 de Abril, em Curitiba

Casa de madeira na Rua 21 de Abril, em Curitiba

Outra simpática casa de madeira na Rua 21 de Abril.
Bem próxima de uma outra que já publiquei a foto e vou por a ligação abaixo.
Julgado pelas árvores, elas deve ser bem velhinhas.
Uma coisa que sempre chama a minha atenção é a variedade de desenhos desses muros pré-fabricados, que as duas têm.

Publicação relacionada:
Uma casa de madeira na 21 de Abril

terça-feira, 12 de maio de 2020

Terminal Barreirinha

Terminal de ônibus urbano na Barreinha, Curitiba

Terminal de ônibus urbano na Barreinha, Curitiba

Terminal de ônibus urbano no Barreirinha, localizado na Avenida Anita Garibaldi. Foto tirada em setembro de 2019.

segunda-feira, 11 de maio de 2020

domingo, 10 de maio de 2020

Outra amarela

Casa com frontaria interessante
Casa com frontaria interessante
Casa com frontaria interessante - detalhe de ornamento de ferro
Casa com frontaria interessante - detalhe de adrono de ferro e grades nas janelas
Casa com frontaria interessante - detalhe

Interessante e bacana a frontaria dessa casa na Rua Floriano Essenfelder.

Repare na platibanda, na decoração com basalto, no trabalho de serralheria nas janelas e no ornamento de ferro. Bem legal, gostei dela.

sábado, 9 de maio de 2020

Duas das “Sete Raízes”

Obra do artista plástico chinês Ai Weiwei feita com raízes e troncos
Obra do artista plástico chinês Ai Weiwei feita com raízes e troncos

Pelo andar da carruagem por um bom tempo não poderemos frequentar os museus. Enquanto isso algumas fotos de exposições passadas

Nas fotos obras do artista plástico chinês Ai Weiwei na exposição “AI WEIWEI - RAIZ”, realizada no Museu Oscar Niemeyer - MON em 2019..

Na placa sobre as obras estava escrito o seguinte:

“SETE RAÍZES
2018
Madeira
Dimensões variáveis 
Ai Weiwei queria criar obras que unissem os contextos culturais chineses e brasileiros. As árvores eram de seu particular interesse na pesquisa no Brasil. 
Em um estúdio de artista em Troncoso, na Bahia, ele descobriu as raízes e troncos nativos que seriam usados para compor Sete Raízes. As partes das árvores eram remanescentes de desmatamentos e de causas naturais. 
Ai. Weiwei dirigiu uma equipe de artesãos chineses e brasileiros na criação deste trabalho, e cada uma das novas obras reúne duas ou três raízes diferentes. A técnica de carpintaria chinesa usada para montar as Sete Raízes remete ao trabalho anterior do artista, Árvore (2009), no qual partes distintas de árvores derrubadas foram unidas para criar formas inteiramente originais. 
Sete Raízes exemplifica a importância do ready-made na prática de Ai Weiwei, que certa vez disse: “Meu trabalho é sempre ready-made. Pode ser cultural, político ou social, e também pode ser arte – fazer com que as pessoas repitam o que fizemos, sua posição original, para criar novas possibilidades. Quero sempre que as pessoas fiquem confusas, chocadas ou percebam algo mais tarde”. 
Cada uma das sete raízes tem um nome diferente: Força, Palácio, Mosca, Sr. Pintura, Festa, Martin e Nível. As últimas duas integram esta mostra.”

Publicação relacionada:
A história nos ensina …
Bicicletas Forever

sexta-feira, 8 de maio de 2020

Uma casa de madeira na Costa Rica

Casa de madeira na Rua Costa Rica, em Curitiba

Simpática casa de madeira na Rua Costa Rica.

Além os detalhes nas casas (como aquele recorte em degraus na entrada), gosto de observar os jardins, os vasos, as flores.

quinta-feira, 7 de maio de 2020

A “pedra fundamental” do Pequeno Príncipe Norte

A escultura em mármore branco, pesando cerca de quatro toneladas, é uma obra do artista Alfi Vivern

Placa de agradecimento

Placa comemorativa

Em frente ao prédio do Educandário Curitiba está essa escultura que serviu de pedra fundamental do Hospital Pequeno Príncipe Norte, em evento realizado em 11 de dezembro de 2013.

A escultura em mármore branco, pesando cerca de quatro toneladas, é uma obra do artista Alfi Vivern.

No local encontrei duas placas, uma próximo a escultura diz o seguinte:

“À FAMILIA IGEL
Ernesto e Pry (in memorian)

Gratidão pela confiança e doação
representada por esta escultura, nossa
simbólica pedra de lançamento.

Complexo Pequeno Principe  AEW-PR Associação Eunice Weaver do Paraná”

Na outra placa, fixado no prédio do Educandário, está escrito o seguinte:

“Em 11 de dezembro de 2013, na presença do
excelentíssimo prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet;
de Edson Arantes do Nascimento — o Pele´; das diretorias
da Associação Eunice Weaver do Paraná e da Associação
Hospitalar de Proteção à Infância Dr. Raul Carneiro; e ainda
de representantes da comunidade e entidades parceiras,
foi lançada a “PEDRA FUNDAMENTAL” do Campus
Integradio em Saúde Pequeno Príncipe-Juril Carnasciali.
Nesta ocasião, também foi inaugurada a “Praça das Pioneiras”,
que homenageia a energia feminina nas pessoas que inspiram
este Projeto – a saber: as senhoras Eunice Weaver;
Juril Carnasciali e Ety Gonçalves Forte.

Complexo Pequeno Principe  AEW-PR Associação Eunice Weaver do Paraná”


Publicações relacionadas:
Educandário Curitiba
Uma casa junto ao Educandário Curitiba

Referência:

quarta-feira, 6 de maio de 2020

Uma casa junto ao Educandário Curitiba

Uma casa junto ao Educandário Curitiba

Uma casa junto ao Educandário Curitiba

Uma casa junto ao Educandário Curitiba - detalhe com ornamento de ferro

Essa casa está junto ao Educandário Curitiba que saiu na publicação de ontem.

Não sei se foi construída na mesma época, nem qual finalidade tinha ou tem atualmente.
Na entrada tem duas placas, uma da AEW-PR Associação Eunice Weaver do Paraná e uma outra onde está escrito “Teatro da Capela”, o que é uma pista.

A casa tem dois belos ornamentos de ferro (aí em não resisto e fotografo).

Publicaçõe relacionadas:
Educandário Curitiba
A “pedra fundamental” do Pequeno Príncipe Norte

terça-feira, 5 de maio de 2020

Educandário Curitiba

Prédio do antigo Educandário Curitiba
Prédio do antigo Educandário Curitiba - entrada peincipal
Prédio do antigo Educandário Curitiba - detalhe de ornamento de ferro
Planca com planta do Futuro Hospital Pequeno Príncipe Norte

Prédio do antigo Educandário Curitiba, com entrada pela Rua Doutor Alarico Vieira de Alencar.

A Sociedade de Defesa contra a Lepra foi fundada em 26 de outubro de 1941. Foi criada por iniciativa de Eunice Waver (1902-1969), com apoio do então interventor Manoel Ribas (1873-1946) e já no decreto de criação recebeu por doação o terreno de 199.000 m² na antiga Colônia Argelina (hoje a área é no bairro do Bacacheri).

Imediatamente após a doação iniciaram uma campanha de arrecadação de fundos, liderada por senhoras da cidade, para a construção do educandário destinado aos filhos sadios de leprosos.

Aparentemente teve duas inauguração. A primeira no dia 21 de março de 1942, com a presença de Manoel Ribas e as demais autoridades de praxe. Com missa e discursos. Em um dos discursos foram destacadas duas doações de vulto: a do Sr. Francisco Johnscher, proprietário do grande Hotel Moderno, no valor de 2:000$000 e do pe. Ladislau Kula, vigário da Catedral Metropolitana, no valor de 50$000.

No dia 15 de junho de 1943 o jornal “O Dia” em uma nota anunciava que no dia 19 o educandário seria inaugurado oficialmente, com as presenças do “sr. Gustavo Capanema, Ministro da Educação e Saúde, d. Eunice Weaver, presidente da Federação das S. A. L. e D. C. L., além de outras altas autoridades estaduais, federais e municipais.”

No dia 20 de junho de 1943, o mesmo jornal “O Dia” noticiou a inauguração.
O ministro não compareceu, sendo representado pela Sra. Eunice Weaver.

Transcrevo alguns trechos da reportagem que descreve o prédio:

“… O Educandário possue linhas arquitetônicas de severa importância e se estende por uma grande area, contado alem do corpo central do edifício, dividido em duas alas, com um pavilhão para refeitorio e cosinha e um pavilhão para lavanderia, alem de 2 novos pavilhões ainda em construção. Tem capacidade para 150 crianças e …
Entre as instalações do estabelecimento contam-se um gabinete dentario e um gabinete médico, ambos dotados de aparelhamento moderno especializado. …
Possue tambem o estabelecimento uma creche … a qual dispõe de todos os elementos necessários aos cuidados particulares aos recem-nascidos. …
Digna de nota é a escola do Educandário instalada em sala própria, sendo o ensino das primeiras letras ministrado por 2 professores, …
Possuem ainda o estabelecimento uma bem montada rouparia e uma sala de costuras, onde as menores vão sendo exercitadas para o oficio. Uma horta, sob orientação de um chacareiro, constitui distração de apreciavel importancia para os meninos. …
Uma diretora, 2 enfermeiras e uma turma de outros empregados, todos com domicilio no proprio estabelecimento, zelam pelo internos, …”

No momento dessa segunda inauguração o estabelecimento já estava funcionado há um ano, com 80 crianças internas. inclusive alguns recém natos.

Em 27 de agosto de 1970 a Sociedade alterou o nome para Sociedade Eunice Weaver.

“Ainda na década de 70, com o apoio do governador Jaime Canet Junior, o educandário sofreu reformas. Posteriormente o Instituto de Apoio ao Menor por convênio assumiu sua gestão.

No final dos anos 80, com as mudanças nas políticas públicas de assistência a crianças e adolescentes, o Educandário foi desativado por vontade do Governo do Estado.”

Em 1986 foi instalado em um dos pavilhões o Grupo de Escoteiros Jorge Frassati.

“Em 1986 o comodato firmado com a UPAE (União de Profissionais para Atendimento do Excepcional), mantenedora da Escola Menino Jesus, possibilitou a instalação da escola que garante educação profissional para jovens com deficiência intelectual no prédio do antigo Grupo Escolar Mercedes Seiler Rocha parte do complexo do antigo educandário.”

No final de 2013 foi noticiado que no local será construído o Hospital Pequeno Principe Norte. Desconheço os detalhes. mas a área continua sendo de propriedade da Associação Eunice Weaver do Paraná - AEW-PR. Imagino que tenha sido feito algum tipo de acordo.

Conforme uma placa no local, que apresenta uma planta das futuras instalações, serão construídos no local um Hospital Pequeno Principe, a Faculdade Pequeno Príncipe e Instituto de Pesquisa Pelé Pequeno Príncipe, um Hospital de Alta Complexidade, prédios de apoio e diagnóstico, um Jardim Botânico Farmácia Viva e um Centro Cultural, além de estacionamento.
Pelo o que está mostrando na planta, continuarão no local a sede da Associação Eunice Weaver do PR, a Associação Beneficente São Roque, o Grupo Escoteiro Jorge Frassati e a Escola Menino Jesus.

Aparentemente a estrutura do prédio atual será mantida. É uma planta baixa e não é possível ver os detalhes. Espero que a fachada atual seja preservada e que ninguém tenha a ideia de fazer uma fachada modernosa. A prefeitura deveria declarar o prédio como uma Unidade de Interesse de Preservação.

Publicações relacionadas:
Uma casa junto ao Educandário Curitiba
A “pedra fundamental” do Pequeno Príncipe Norte

Referências:

segunda-feira, 4 de maio de 2020

Casinhas para passarinhos

Casinhas para passarinhos

Caminhando pela rua sempre encontramos coisas interessantes, como essas casinhas para passarinhos.
Uma coisa que também encontramos com frequência nas árvores nas calçadas são orquídeas. Qualquer hora dessas fotografo algumas.

domingo, 3 de maio de 2020

A história nos ensina …


“A história nos ensina que no início das maiores tragédias havia ignorância.”

“A história nos ensina que no
início das maiores tragédias
havia ignorância.”

“History teaches us that at the beginning
of the greatest tragedies was ignorance.”

Frase do artista plástico chinês Ai Weiwei na exposição “AI WEIWEI - RAIZ”, realizada no Museu Oscar Niemeyer - MON em 2019.

Publicação relacionada:

sábado, 2 de maio de 2020

A casa de Gustavo Venske e Anna Mueller

A casa de Gustavo Venske e Anna Mueller
A casa de Gustavo Venske e Anna Mueller
A casa de Gustavo Venske e Anna Mueller
A casa de Gustavo Venske e Anna Mueller

Essa casa na Rua Mateus Leme é uma Unidade de Interesse de Preservação.

Foi construída em 1898 por Gustavo Venske, casado com Anna Mueller.

Referência: