quinta-feira, 15 de novembro de 2018

Mais um sobrado na 24 de Maio

Sobrado na Rua 24 de Maio

Mais um sobrado na Rua 24 de Maio, esse já no Bairro Rebouças.
Interessante os detalhes decorativos em relevo.
Nunca tinha dado muita atenção aos sobrados da 24 de Maio. Um hora dessas tenho de percorrer um trecho maior dela, caminhando.

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Busto de Gibran Khalil Gibran

Busto de Gibran Khalil Gibran

Herma com busto de Gibran Khalil Gibran

Plas de azulejos com escritos de Gibran Khalil Gibran

Essa herma com o busto de Gibran Khalil Gibran está localizada no espelho d’água em frente ao Memorial Árabe, na Praça Gibran Khalil Gibran

Na lateral do prédio do Memorial Árabe existe duas pequenas placas de azulejos, em uma delas está escrito o seguinte:

“Não vos esqueçais que a
Terra ama sentir
os vossos pés descalços.
Não vos esqueçais que ao
Vento agrada jogar com os vossos cabelos.
Gibran Khalil
sobre a Simplicidade”

Na outra está escrito:

“Na verdade é a Vida quem dá a Vida entre vós.
Vós que vos dizeis doadores da Vida
sois apenas suas testemunhas.
Vossos filhos não são vossos filhos
mas filhos da ânsia da Vida por si mesma.
Gibran Khalil
sobre a Vida”

Gibran Khalil Gibran


Gibran Khalil Gibran nasceu Bicharre no dia 6 de janeiro de 1883 e faleceu em Nova Iorque em 10 de abril de 1931. Foi um ensaísta, filósofo, prosador, poeta, conferencista e pintor de origem libanesa. “O Profeta” é o livro de sua autoria mais conhecido.

Publicação relacionada:
Memorial Árabe

Referência:

terça-feira, 13 de novembro de 2018

Bala Zéquinha

Casa na Rua Nunes Machado

Casa na Rua Nunes Machado.
No terreno haviam quatro casas iguais, duas voltadas para a Rua Nunes Machado e outras duas voltadas para a Rua Lamenha Lins. As da Lamenha Lins não existem mais. No meio do terreno, entre as casas, ficava a fábrica de doces dos irmãos Sobania, cujo produto mais conhecido foi a Bala Zéquinha.

Em 1928 um dos quatro irmãos Sobania (Francisco) foi fazer um curso sobre chocolate em São Paulo e lá conheceu as balas Piolim, com desenhos do famoso palhaço. Gostou da idéia e em 1929 os irmão lançaram a bala Zéquinha por essas bandas.

Figurinha número 200 das Balas Zéquinha
As figurinhas eram impressas em litografia pela Impressora Paranaense e mostravam o palhaço Zéquinha em diversas situações e profissões.
A bala era barata, feita de açúcar e essência de frutas. Rapidamente tornou-se um sucesso, com a piazada colecionando as figurinhas.
Com tamanho de 5x7 centímetros a série inicial era de 30 figurinha, depois ampliada para cinquenta, depois cem e finalmente duzentas.
Quem completasse a coleção toda (que não tinha um álbum) podia trocá-la por brindes, geralmente brinquedos. Mas tinha algumas figurinhas difíceis de encontrar.

A bala foi produzida pelos irmãos Sobania até 1940, quando foram relançadas pela Fábrica de Irmãos Franceschi, que as produziram até 1955.
Em 1955 a bala foi relançada pela Fábrica de Balas São Domingos, de E. J. Gabardo e Massochetto e a empresa que a produzia foi adquirida por Zigmundo Zavatski que retomou a produção em 1967.
Em 1979 o governo do Paraná lançou uma campanha de incentivo de recolhimento de impostos onde era possível trocar notas fiscais por figurinhas. Na ocasião houve uma disputa judicial em torno do uso da marca e dos desenhos, mas não sei como acabou.

Referências:

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

domingo, 11 de novembro de 2018

Praça de Bolso do Ciclista

Praça de Bolso do Ciclista

Praça de Bolso do Ciclista

Praça de Bolso do Ciclista

Praça de Bolso do Ciclista

A Praça de Bolso do Ciclista fica na esquina da Rua São Francisco com a Rua Presidente Faria.

“A praça é “de bolso”, pois apresenta 127m² de área e é também designada “do ciclista”, pois foi idealizada por um grupo de cicloativistas da cidade”.

A praça foi construída em um terreno público que estava sem uso, com equipamentos e materiais fornecidos pela prefeitura e por uma construtora que tinha um empreendimento na região. A mão-de-obra para a execução foi fornecida por um grupo de pessoas voluntárias.

Esse conceito de pequenos espaços para uso público (pocket parks) é interessante em um mundo onde as pessoas cada vez mais vivem aglomeradas em cidades. Não eliminam a necessidade dos grandes parques, mas complementam, criando um espécie de “refresco” no tecido urbano.
No exterior são mais comuns que no Brasil, onde muitas vezes são propriedades privadas (tanto de pessoas como de empresas). Desconheço a existência de alguma praça de bolso privada em Curitiba. Todas que conheço são propriedades públicas, na maior parte das vezes chamadas de jardinetes.

Gosto do lado estrutural do projeto da praça, mas acho ela um pouco poluída visualmente, prefiro coisa mais “limpas”. E olha que isso não tem relação alguma com grafite, pois gosto deles. Mas, enfim, aí entramos no terreno dos gostos pessoais.

Referência:

sábado, 10 de novembro de 2018

Piso de madeira nos corredores da Santa Casa

Piso de madeira nos corredores da Santa Casa

Piso de madeira nos corredores da Santa Casa

Volta e meia vejo nas redes sociais fotos de um piso cerâmico com padrões geométricas na Santa Casa. Mas eu gosto mesmo é do piso de madeira de alguns corredores e da capela, que são muito bonitos.

Publicações relacionadas:
Santa Casa
A capela da Santa Casa

sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Av. Sete de Setembro, um trecho pouco conhecido

Jardinete na Av. Sete de Setembro, próximo a Rua Pres. Rodrigo Otávio

Para muitas pessoas quando alguém fala Avenida Sete de Setembro a imagem que vem é uma rua com canaleta do ônibus expresso e duas vias laterais lentas.
Mas ela começa na Rua Marechal Deodoro, bem próximo da Praça das Nações.
O início dela (mais ou menos 1,3 km) é bem arborizado e interrompido por jardinetes e por um jardim ambiental. Tem até um pequeno pedaço, próximo à Rua Padre Germano Mayer, que é interrompida por algumas casas.
Só mais tarde, depois da Rua Mariano Torres, é que vira a via que está na mente de muitos. Continua assim até a Praça do Japão, quando deixa de ser via do expresso, indo terminar na Fonte de Jerusalém.

O jardinete que aparece na foto é próximo ao cruzamento com a Rua Presidente Rodrigo Otávio.

quinta-feira, 8 de novembro de 2018

Visconde de Guarapuava 3385

Casa na Avenida Visconde de Guarapuava

Casa na Avenida Visconde de Guarapuava

Bem interessante essa casa na Avenida Visconde de Guarapuava. E com a fachada bem conservada (apesar das alterações nas janelas). É ocupada por uma associação de funcionários públicos.

quarta-feira, 7 de novembro de 2018

Edifício Solar da Nogueira - Torre Luiz Leão

Edifício Solar da Nogueira - Torre Luiz Leão

Ontem publiquei a foto do Edifício Solar da Nogueira - Torre Didi Caillet, voltada para a praça com o mesmo nome. Hoje a foto do mesmo edifício, mas da Torre Luiz Leão, voltada para a Avenida João Gualberto.

Gosto de algumas conexões, de um casa em um bairro da cidade com uma praça em outro, por exemplo. No caso temos uma entre duas torres de um mesmo edifício. Para quem não sabe da ligação dos dois nomes, comentarei sobre isso em um publicação futura.

terça-feira, 6 de novembro de 2018

Um painel no Edifício Solar da Nogueira - Torre Didi Caillet

Um painel no Edifício Solar da Nogueira - Torre Didi Caillet

Um painel no Edifício Solar da Nogueira - Torre Didi Caillet

Edifício Solar da Nogueira - Torre Didi Caillet

O Edifício Solar da Nogueira tem duas torres. Em uma delas, Torre Didi Caillet, que é voltada para a praça com o mesmo nome, tem um painel de azulejos bem bonito.

Não consegui descobrir o nome oficial do painel, mas claramente é uma referência ao ciclo de produção da erva-mate.
Nele vemos desde a colheita (em um painel menor no lado esquerdo da porta de entrada), continuando com o processo de industrialização e terminando com os produtos finais (erva para mate e chá).

O painel é de 2007 e a autora do desenho é Ana Lara (ou seria Ana Iara?) e a execução foi de Elvo Benito Damo e Maria Helena Saparolli.

segunda-feira, 5 de novembro de 2018

Outros dois sobrados na 24 de Maio

dois sobrados na 24 de Maio

Em um primeiro momento esses dois sobrados na Rua 24 de Maio chamam a atenção pelas cores, mas quando reparamos um pouco mais notamos o estilo.

domingo, 4 de novembro de 2018

Memorial Árabe

Memorial Árabe

Memorial Árabe - detalhe porta

Memorial Árabe

Memorial Árabe - detalhe vitral

Memorial Árabe - detalhe

Memorial Árabe - fundos

Memorial Árabe - lateral

O Memorial Árabe está localizado na Praça Gibran Khalil Gibran, próximo ao Passeio Público e delimitada pela Avenida João Gualberto, Rua Heitor Stockler e Rua Barão de Antonina.

No totem no local está escrito o seguinte:

“Memorial Árabe

Lembrando o estilo das
edificações mouriscas
na abóboda, nas
colunas, nos arcos e
nos vitrais, é local para
pesquisa e atividades
culturais da etnia.
Tem uma biblioteca
especializada, onde o
leitor é remetido aos
contos das
mil e uma noites, é
uma escultura do
patrono da praça, o
escritor Gibran Kalil
Gibran.
Foi inaugurado em
1996

CURITIBA”

O prédio é muito bonito, um dos memoriais mais bonitos da cidade.

Os azulejos da frisa que contorna o prédio foram manufaturados em Isfahan e para a fixação dela vieram artesãos do Irã.
Na frisa está escrito, em árabe, a primeira surata do Alcorão.

A Surat al-Faatiha é o primeiro capítulo do Alcorão, composto de sete versículos que dizem o seguinte:

1. Em nome de Deus, o Clemente, o Misericordioso.
2. Louvado seja Deus, Senhor do Universo,
3. Clemente, o Misericordioso,
4. Soberano do Dia do Juízo.
5. Só a Ti adoramos e só de Ti imploramos ajuda!
6. Guia-nos à senda reta,
7. À senda dos que agraciaste, não à dos abominados, nem à dos extraviados.
Publicação relacionada:
Busto de Gibran Khalil Gibran

Referências:

sábado, 3 de novembro de 2018

Palacete Leão Júnior (Solar dos Leões) - versão azul escuro

Palacete Leão Júnior (Solar dos Leões) na Av. João Gualberto.

Um dias desses, caminhando pela região, aproveitei para fotografar novamente o Palacete Leão Júnior (Solar dos Leões) na Av. João Gualberto. Esta que, sem dúvida, é uma das casa mais bonitas da cidade.

Já faz algum tempo, mas ainda não tinha fotografo ela depois que foi pintada com um azul mais escuro. Preferia ela com a pintura anterior, um azul mais claro. Mas essa questão de cor é complicada, pois cada um tem o seu gosto.

Só lembrando: a casa é tombada pelo Patrimônio Cultural do Paraná e é uma Unidade de Interesse de Preservação.

Publicações relacionadas:
Palacete Leão Júnior (Solar dos Leões)
Palacete Leão Júnior (Solar dos Leões) - interior
Palacete Leão Júnior (Solar dos Leões) - detalhes externos
Palacete Leão Júnior (Solar dos Leões) - o mirante

sexta-feira, 2 de novembro de 2018

Sobrado na Presidente Faria

Sobrado na Presidente Faria com traços do art déco

Um dia desses estava procurando na Rua Presidente Faria uma Unidade de Interesse de Preservação que deveria existir no número 181, mas ela aparentemente foi desmanchada e estão construindo no local um edifício.

Mas acabei notando este sobrado que atualmente abriga uma pousada e um comércio no térreo. Apesar de as aberturas terem sido trocadas (desconfio também que as portas que abrigam o comércio) é possível observarmos a influencia do art déco no desenho dele. Gostei da sacadinha também. Bacana.

quinta-feira, 1 de novembro de 2018

Outra com torrinha

Casa com torrinha

Outra casa com aquela torrinha cilíndrica. Esta localizada na Rua da Gloria.

Desde que comecei o blog já fotografei várias casa com esse estilo e fiquei surpreso com a quantidade delas na cidade. Para mim lembram os châteaux do Vale do Loire.

quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Um sobrado na 24 de Maio

Sobrado na Rua 24 de Maio em estilo modernista

Repare nesse sobrado na Rua 24 de Maio, em estilo modernista (ou funcional, como muitos chamavam).

Está meio escondido pelas placas e o térreo possivelmente foi bem alterado. Mas o andar superior revela o estilo, mesmo que a janela original provavelmente tivesse venezianas de madeira.

Mais um daqueles que a gente só descobre caminhando pela cidade.

terça-feira, 30 de outubro de 2018

Uma nogueira imune de corte

Nogueira-pecan (Carya illinoesis) na Praça Didi Caillet

Esta nogueira (Carya illinoesis) localizada na Praça Didi Caillet é uma árvore imune de corte, conforme o Decreto 1.181/2009.

A nogueira-pecan é originária do sul dos Estados Unidos da América.
Nunca reparei se esse exemplar produz nozes, mas imagino que não, uma vez que aparentemente não tem como ser polinizada (a coitada está cercada de palmeiras).

Publicação relacionada:
Praça Didi Caillet

segunda-feira, 29 de outubro de 2018

domingo, 28 de outubro de 2018

Capela Nossa Senhora da Glória - o interior

Capela Nossa Senhora da Glória - o interior - vista geral
Capela Nossa Senhora da Glória - o interior - altar lateral
Capela Nossa Senhora da Glória - o interior - altar lateral
Capela Nossa Senhora da Glória - o interior - vista do altar e teto
Capela Nossa Senhora da Glória - o interior - vista do altar
Capela Nossa Senhora da Glória - o interior - sacrário
Capela Nossa Senhora da Glória - o interior - pintura no teto
Capela Nossa Senhora da Glória - o interior - janelas laterais
Capela Nossa Senhora da Glória - o interior - vista do coro e porta de entrada
Capela Nossa Senhora da Glória - o interior - vista do altar a partir do coro
Capela Nossa Senhora da Glória - o interior - pia batismal
Capela Nossa Senhora da Glória - o interior - detalhes da pintura original

O interior da Capela Nossa Senhora da Glória após o restauro executado recentemente.
Não sei como era antes, mas está bem bonito.
Minha esposa lembra que entrou algumas vezes quando era jovem. Não recorda da decoração que havia, mas a lembrança que tem é que era um lugar escuro. Faz sentido, quando observamos as pequenas “janelas” deixadas sem restaurar, como é comum nesse tipo de trabalho.

Como comentei ontem, a capela fica na Avenida João Gualberto e é uma Unidade de Interesse de Preservação.

Para saber mais da história da capela, veja o link relacionado:
Capela Nossa Senhora da Glória

Capela Nossa Senhora da Glória - ficou bonita

sábado, 27 de outubro de 2018

Capela Nossa Senhora da Glória - ficou bonita

Capela Nossa Senhora da Glória
Capela Nossa Senhora da Glória
Capela Nossa Senhora da Glória
Capela Nossa Senhora da Glória - detalhe da cruz com imagem na entrada
Capela Nossa Senhora da Glória
Capela Nossa Senhora da Glória - detalhe janelas laterais
Capela Nossa Senhora da Glória - detalhe da torre

Construída em 1896, a Capela Nossa Senhora da Glória – que é uma Unidade de Interesse de Preservação localizada na Avenida João Gualberto – foi recentemente restaurada. Ficou bem bonita.

Na parte externa dela há duas placas. Uma, de mármore, no lado esquerda de quem vê a capela de frente, está escrito o seguinte:

“ANNO 1900-1901
HOMENAGEM DA FAMILIA LEÃO
A
CHRISTO REDEMPTOR
E Á
SENHORA DA GLORIA
-o-
PONTIFICADO DE S.S. LEÃO XIII
EPISCOPADO
DE D. JOSÉ DE CAMARGO BARROS”

Na placa no outro lado, em bronze, está escrito o seguinte:

“HOMENAGEM
A EXMA. SRA.
MARIA DOLORES LEÃO DA VEIGA
A QUEM DEVEMOS ESTA CAPELA DE
NOSSA SENHORA DA GLÓRIA
NO CENTENARIO DE SUA FUNDAÇÃO
1896 - 1996
DA FAMÍLIA DE BERNARDO AUGUSTO DA VEIGA”

As fotos foram tiradas em dias diferentes. No dia que tinha sol ela estava fechada e no dia que estava aberta, estava chovendo.

Para saber mais da história da capela, veja o link relacionado:
Capela Nossa Senhora da Glória

Capela Nossa Senhora da Glória - o interior